Revista Brotéria

  

Últimos Números

 
Maio / Junho de 2018 Volume 186
 
     
Editorial: Na crise do compromisso comunitário
António Júlio TRIGUEIROS SJ
Lei de Identidade de Género: um desconchavo
Walter OSSWALD
Sou mulher, porque não sou homem! – a propósito da pr...
Margarida Gonçalves NETO
Fátima, Futebol e Fado: uma leitura contemporânea
Rui Proença GARCIA
O Futebol tem Violência, não é violento
Manuel SÉRGIO
A corrupção não se combate com o silêncio
Miguel Câmara MACHADO
A transição política na Líbia pós Gadhafi
Maria Norton Gomes da SILVA
Amoris Laetitia e Direito Canónico
John ALESKANDER

Números anteriores:
Maio / Junho de 2018 Volume 186Maio / Junho de 2018 Volume 186Maio / Junho de 2018 Volume 186Maio / Junho de 2018 Volume 186

Revista Brotéria

Conselho de Direcção e de Redacção

Contacto António Júlio Trigueiros, SJ
Director
Contacto
Contacto António Vaz Pinto, SJ

Contacto
Contacto Vasco Pinto de Magalhães, SJ

Contacto
Contacto Francisco Sassetti Mota, SJ

Contacto

Conselho de Redacção

Contacto Carlos Capucho

Contacto
Contacto Carlos Maria Bobone

Contacto
Contacto Francisco Malta Romeiras

Contacto
Contacto Francisco Sarsfield Cabral

Contacto
Contacto Guilherme d'Oliveira Martins

Contacto
Contacto Henrique Leitão

Contacto
Contacto Joaquim Sapinho

Contacto
Contacto Manuel Braga da Cruz

Contacto
Contacto Margarida Neto

Contacto
Contacto Miguel Corrêa Monteiro

Contacto

Índice Novembro 2018

 Descarregar PDF

NOVEMBRO 2018 - EDITORIAL: P. Manuel Antunes – 100 anos

A Brotéria dedica este número de Novembro, integralmente à figura do Padre Manuel Antunes, dado que passaram no pretérito dia 3 de Novembro, cem anos sobre o seu nascimento na vila da Sertã. O P. Manuel Antunes foi diretor da revista Brotéria desde Janeiro de 1965 até 1972 e depois de novo de 1975 a 1982. Escreveu na revista ao longo de mais de quarenta anos, 418 ensaios e 570 recensões de crítica literária, sob 126 diferentes pseudónimos. 

Ler artigo

OUTUBRO 2018 - O Jesus muçulmano: elementos para uma cristologia corânica

Em 2017, Mustafa Akyol publicava o The Islamic Jesus, avançando uma tese incomum: para se reformar, o islão precisa de se recordar do Jesus muçulmano.  Paulo teria desviado as comunidades primitivas, judeo-cristãs, do seu monoteísmo original, através da divinização de Jesus. 

Ler artigo

You are here: Página Inicial