Revista Brotéria

  
História da Casa de Escritores PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Quando, em 1925, se fechou a Casa de Escritores de Pontevedra (Espanha), logo se pensou em reabri-Ia em Lisboa, por ali se encontrarem as principais bibliotecas, arquivos e outras instituições culturais. De facto, a 17 de Outubro de 1928, abriu-se a nova casa num segundo andar de um grande prédio situado na R. Braamcamp, nº 40. O primeiro superior da nova Casa de Escritores, agora especialmente dedicada à redacção da revista Brotéria, foi o P. Joaquim da Silva Tavares.

Como esta casa era pouco apropriada, especialmente por ser pequena e menos sossegada, logo se teve de procurar outra. Optou-se por uma moradia, com um pequeno jardim, na R. Maestro António Taborda, nº 14, que se pôde comprar com o auxílio de algumas pessoas amigas. Para aqui se trasladou a Casa de Escritores em Setembro de 1930. Como o edifício se foi tornando demasiado pequeno, construiu-se numa parte do jardim uma nova dependência que veio a ser inaugurada a 31 de Maio de 1955.

Nesta casa, viveram e vivem figuras importantes das Letras e das Ciências portuguesas, nomeadamente os padres Serafim Leite, Francisco Rodrigues, Domingos Maurício, Mário Martins, Manuel Antunes, António Leite e Luís Archer.

A Comunidade conta actualmente com onze Jesuítas.

A revista Brotéria foi fundada nos princípios de 1902, como Revista de Ciências Naturais do Colégio de S. Fiel, pelos padres Joaquim da Silva Tavares, Carlos Zimmerman e Cândido Mendes. Tomou o nome de Brotéria, em homenagem ao célebre naturalista português Félix de Avelar Brotero(1744-1829). Em 1907 aparece organizada em três séries: duas mais especlalizadas-Série Botânica e Série Zoológica, e outra de Vulgarização Científica. Em 1925 a série de Vulgarização Científica começou a publicar-se como Revista de Cultura Geral e a partir de 1932 ficaram as suas séries científicas fundidas na de Ciências Naturais.

A biblioteca da Brotéria, aberta ao público, conta com cerca de 150.000 monografias e mais de 200 publicações periódicas. É particularmente valiosa no campo da Teologia, Filosofia, Literatura e História, com destaque para a história da Companhia de Jesus.


(adaptado de: António Lopes, Roteiro Histórico dos Jesuítas em Lisboa, Braga, AI/AO, 1985)

 

Revista Brotéria

Contacto António Júlio Trigueiros, SJ
Director
Contacto
Contacto António Vaz Pinto, SJ
Conselho de Direcção
Contacto
Contacto Francisco Correia, SJ
Conselho de Direcção e Redacção
Contacto
Contacto Vasco Pinto de Magalhães, SJ
Conselho de Direcção e Redacção
Contacto
Contacto António Vasconcelos de Saldanha
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Carlos Capucho
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Francisco Malta Romeiras
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Francisco Sarsfield Cabral
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Guilherme d'Oliveira Martins
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Henrique Leitão
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Joaquim Sapinho
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto José Carlos Seabra Pereira
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Manuel Braga da Cruz
Conselho de Redacção
Contacto
Contacto Miguel Corrêa Monteiro
Conselho de Redacção
Contacto

Índice Maio/Junho 2017

 Descarregar PDF

MAIO/JUNHO 2017 - "Estado, Igreja e Fátima"

O anticatolicismo português, manifestando-se geralmente como anticlericalismo e anticurialismo, tem raízes profundas. Nos Estados católicos do sul da Europa – Nápoles, França, Espanha, Portugal –, remonta à segunda metade do século XVIII e ao absolutismo iluminista dos ministros Tanucci, Choiseul, Aranda e Pombal. É com eles que começa a primeira ofensiva moderna anti-religiosa – a guerra contra a Companhia de Jesus, vista como uma milícia supranacional ao serviço do Papa de Roma.

Ler artigo

ABRIL 2017 - “Meu Deus, Porque Me Abandonaste?”

Num encontro com o Papa Francisco, uma vítima de abuso disse com profunda tristeza e desespero: “Jesus tinha consigo a sua mãe quando viveu a sua Paixão e Morte. A minha mãe, a Igreja, abandonou-me na minha dor e na minha solidão”. Nesta frase pode ser reconhecido parte do horror do abuso, no que respeita especificamente ao abuso sexual de menores em contexto eclesial, e o que a Igreja e em particular os seus membros em posições de responsabilidade têm de mudar.

Ler artigo

You are here: Página Inicial Historial A História