História da Casa de Escritores Versão para impressão

Quando, em 1925, se fechou a Casa de Escritores de Pontevedra (Espanha), logo se pensou em reabri-Ia em Lisboa, por ali se encontrarem as principais bibliotecas, arquivos e outras instituições culturais. De facto, a 17 de Outubro de 1928, abriu-se a nova casa num segundo andar de um grande prédio situado na R. Braamcamp, nº 40. O primeiro superior da nova Casa de Escritores, agora especialmente dedicada à redacção da revista Brotéria, foi o P. Joaquim da Silva Tavares.

Como esta casa era pouco apropriada, especialmente por ser pequena e menos sossegada, logo se teve de procurar outra. Optou-se por uma moradia, com um pequeno jardim, na R. Maestro António Taborda, nº 14, que se pôde comprar com o auxílio de algumas pessoas amigas. Para aqui se trasladou a Casa de Escritores em Setembro de 1930. Como o edifício se foi tornando demasiado pequeno, construiu-se numa parte do jardim uma nova dependência que veio a ser inaugurada a 31 de Maio de 1955.

Nesta casa, viveram e vivem figuras importantes das Letras e das Ciências portuguesas, nomeadamente os padres Serafim Leite, Francisco Rodrigues, Domingos Maurício, Mário Martins, Manuel Antunes, António Leite e Luís Archer.

A Comunidade conta actualmente com onze Jesuítas.

A revista Brotéria foi fundada nos princípios de 1902, como Revista de Ciências Naturais do Colégio de S. Fiel, pelos padres Joaquim da Silva Tavares, Carlos Zimmerman e Cândido Mendes. Tomou o nome de Brotéria, em homenagem ao célebre naturalista português Félix de Avelar Brotero(1744-1829). Em 1907 aparece organizada em três séries: duas mais especlalizadas-Série Botânica e Série Zoológica, e outra de Vulgarização Científica. Em 1925 a série de Vulgarização Científica começou a publicar-se como Revista de Cultura Geral e a partir de 1932 ficaram as suas séries científicas fundidas na de Ciências Naturais.

A biblioteca da Brotéria, aberta ao público, conta com cerca de 150.000 monografias e mais de 200 publicações periódicas. É particularmente valiosa no campo da Teologia, Filosofia, Literatura e História, com destaque para a história da Companhia de Jesus.


(adaptado de: António Lopes, Roteiro Histórico dos Jesuítas em Lisboa, Braga, AI/AO, 1985)